Neste espírito de oração contínua prescrito pela Regra, a carmelita permanece na cela em oração, meditando a Palavra de Deus e fortalecendo o seu espírito com pensamentos santos, celebra diariamente em comum a Eucaristia e a Liturgia das Horas e entrega-se ao trabalho diário como forma de subsistência, de serviço humilde e produzindo o seu próprio sustento. A Santa instaurou também uma comunhão de vida baseada nas relações fraternas entre as Irmãs. Desejou, acima de tudo, cultivar a oração contínua na solidão, no silêncio e espírito de vigilância evangélica.

na cela em oração

trabalho diário

para a nossa subsistência

oração litúrgica comunitária

relações fraternas

oração contínua na solidão

       Actualmente a Ordem tem três ramos que se entrelaçam e constituem uma só Família: 

  • Os Padres Carmelitas Descalços vivem igualmente em comunidades e dedicam-se à contemplação e serviço apostólico.

  • As Irmãs de vida contemplativa em clausura;

  • e as fraternidades de Leigos – os carmelitas seculares – que interpretam e vivem a espiritualidade carmelita inseridos no mundo escolar, profissional e familiar.

    

       O Prepósito Geral é a "cabeça" desta Família, ao qual compete promover a sua unidade na fidelidade ao ideal contemplativo-eclesial inaugurado por Santa Teresa de Jesus e favorecer a comunhão entre todos os mosteiros e com o resto da Ordem, bem como com a Sé Apostólica.

       A Ordem encontra-se presente em todos os Continentes, com vários mosteiros de clausura,  conventos de Padres e fraternidades seculares, tornando visível e actual o carisma dos Santos reformadores do Carmelo – Sta. Teresa de Jesus e S. João da Cruz.

NOS DIAS DE HOJE...