VOLUMES PUBLICADOS

Aqui poderá encontrar uma versão parcial de cada volume.

COLECÇÃO: Promontoria Monográfica História da Arte 11

ISBN: 978-989-8472-72-4

Tamanho: 29x23 cm

Páginas: 232 (com fotos a cores)

 

A Ordem dos Carmelitas Descalços em Portugal, de parceria com o Departamento de Artes e Humanidadesda Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade do Algarve, assume a publicação do presente volume da coleção Promontoria Monográfica História da Arte, com o título Retábulos da Ordem dos Carmelitas Descalços.

O volume em questão aborda a problemática dos retábulos subsistentes nos templos outrora administrados por esta Ordem religiosa, quer masculinos, quer femininos, e ainda nos hospícios e nas igrejas das Ordens TerceirasDescalças, não só em Portugal, desde o Minho ao Algarve, mas também noutras terras de missão dependentes da Coroa Portuguesa, nomeadamente em Angola e no Brasil.

A presente publicação torna-se particularmente pertinente no presente ano em que se celebra o V Centenáriodo Nascimento de Santa Teresa de Jesus (1515 -- 2015) e se realiza em Fátima o Congresso Internacional A Reforma Teresiana em Portugal.

Neste volume, dedicado aos Retábulos da Ordem dos Carmelitas Descalços, colaboraram três destacados investigadores: o Doutor Francisco Lameira, que desde a primeira hora abraçou com entusiasmo esta iniciativa; oJosé João Loureiro, investigador e profundo conhecedor desta família religiosa, e o Padre Frei José Carlos Vechina, conventual da comunidade carmelita de Nossa Senhora do Carmo de Aveiro. Felicito-os pelo trabalho realizado durante um ano, em que preparam pacientemente a presente publicação onde se divulga e analisa o relevante património artístico retabular ainda remanescente.

 

Padre Frei Joaquim Teixeira

Provincial da Ordem dos Carmelitas Descalços em Portugal

In Editorial

COLECÇÃO: Promontoria Monográfica História da Arte 06

ISBN: 978-972-99932-6-8

Tamanho: 29x23 cm

Páginas: 84 (com fotos a cores)

 

O presente volume da colecção Promontoria Monográfica História da Arte dedica-se aos Retábulos nos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa. Estes equipamentos litúrgicos e artísticos, construídos maioritariamente no interior dos diversos templos nos séculos XVII, XVIII e XIX, são um importante testemunho patrimonial da vivência religiosa dos nossos antepassados. Eles fazem parte da identidade cultural dos nossos povos, agora irmanados numa comunidade que visa o aprofundamento da amizade mútua e da cooperação entre todos os seus membros.
É pois uma honra a Câmara Municipal de Loulé associar-se à Universidade do Algarve neste projecto editorial de promoção e difusão da cultura portuguesa. A adesão das Embaixadas de Angola, Cabo Verde, Moçambique e São Tomé e Príncipe reforça os laços de união entre os nossos povos, servindo de incentivo à preservação e consolidação deste espólio patrimonial.
Felicito, ainda, os autores deste estudo, dois investigadores da Universidade do Algarve, pelo seu desempenho na execução desta tarefa.


Vítor Aleixo
Presidente da Câmara Municipal de Loulé

In Editorial

RETÁBULOS DA ORDEM DOS CARMELITAS DESCALÇOS
RETÁBULOS NOS PAÍSES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA
eBook

(Brevemente disponível)

Comprar Livro

(Brevemente disponível)

(Brevemente disponível)

eBook
O RETÁBULO EM PORTUGAL:
das origens ao declínio
Comprar Livro
eBook

(Brevemente disponível)

(Brevemente disponível)

COLECÇÃO: Promontoria Monográfica História da Arte 01

ISBN: 972-99693-2-9

Tamanho: 29x23 cm

Páginas: 127 (com fotos a cores)

 

O  presente  trabalho  surge  como  sistematização  dos  artigos  que  o  autor, por vezes,  de  parceria  com  o  Prof.  Doutor  Vítor  Serrão,  tem  vindo  a publicar  nos últimos  anos relativos à  problemática  do  retábulo  em  Portugal, nomeadamente  na Promontoria. Revista do Departamento de História, Arqueologia e Património da Universidade do Algarve.

Contrariamente  ao  que  ocorre  desde  há  várias  décadas,  o retábulo  não  é abordado  neste  estudo  como  a  maior  e  mais expressiva  manifestação  da talha,  isto  é,  como  uma  disciplina das  artes  decorativas.  O  retábulo  é entendido  fundamentalmente  como  uma  obra  de  arquitectura, constituindo o  principal  instrumento  de  persuasão  e  de  envolvimento  dos  fiéis no interior dos templos. Os retábulos foram complementados, sobretudo,  a  partir dos  inícios  do  século  XVII,  por  diversas modalidades  artísticas:  a  talha,  o azulejo,  os  mármores,  por vezes com embutidos, a pintura de brutescos, a pintura de tectos com composições em perspectiva arquitectónica, o estuque, etc...

Esta  nova  abordagem  resulta  da  constatação  da  enorme importância   litúrgica  e  estética  que  os  retábulos  tiveram na  vivência  religiosa  da sociedade  do  Antigo  Regime  em Portugal.

O  retábulo  é  então  estudado  independentemente  dos materiais  utilizados, desde  a  madeira  (situação  mais  frequente  e  mais  económica),  até  à pedraria  (solução  mais  erudita  e associada a grupos sociais privilegiados e de maiores recursos financeiros) e dos profissionais envolvidos, quer na concepção, quer na feitura e nos respectivos acabamentos (pintura figurativa, douramento, policromia, polimento, etc...).

Tendo em conta os pressupostos didácticos deste trabalho, procurámos inserir várias ilustrações, quer desenhos feitos por alunos  da  Universidade  do  Algarve, quer  fotografias  de  retábulos das várias conjunturas artísticas, procurando apresentar exemplares de todas as regiões do país.

Como  metodologia  principal,  utiliza-se  a  abordagem  formal a um número suficientemente representativo de retábulos existente  em  todas  as  regiões administrativas  portuguesas  de então.

Acresce destacar, que contamos com uma vasta base documental, em parte inédita (contratos de obras, pleitos, testamentos, etc...), que clarifica algumas das vertentes enunciadas.

Finalmente,  resta-nos  agradecer  a  colaboração  das  várias entidades  e pessoas  que  permitiram  a  execução  do  presente estudo,  incluindo  o  acesso a  igrejas,  o  registo  fotográfico,  a consulta de fontes arquivísticas, a leitura de textos manuscritos, as opiniões e conselhos, etc..., sem os quais, esta perspectiva de conjunto que agora se esboça e oferece ao debate da comunidade científica e dos meios da História da Arte, não teria sido possível.

 

In Editorial

Francisco Lameira, José João Loureiro e Frei José Carlos Vechina
Francisco Lameira e João Canha e Sá
Francisco Lameira
Francisco Lameira e Paulo Ladeira
RETÁBULOS NA DIOCESE
DE VIANA DO CASTELO

COLECÇÃO: Promontoria Monográfica História da Arte 10

ISBN: 978-972-9397-67-7

Tamanho: 29x23 cm

Páginas: 143 (com fotos a cores)

 

De criação recente, a Diocese de Viana do Castelo corresponde a uma área territorial marcada social, religiosa e culturalmente pela presença secular da igreja católica. Na verdade, confrontados com a juventude da estrutura eclesiástica trata-se de um bispado com trinta e oito anos de existência, não devemos olvidar que a construção da identidade cultural desta região tem no catolicismo um dos seus fundamentos. As expressões artísticas evidenciam esse vínculo histórico entre a religião e os habitantes desta região. Com efeito, elas comportam modos de comunicação, apropriação e interpretação do catolicismo que, sendo produzidos por diferentes agentes, geraram uma significativa variedade de artefactos e edificações. Entre esse património artístico, destacam-se os retábulos.
Integrado na coleção Promontoria Monográfica História da Arte, da responsabilidade da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade do Algarve, o presente volume refere-se ao património retabular da Diocese de Viana do Castelo. Mantendo a linha editorial dos restantes números, os autores apresentam os retábulos que elegeram, contextualizando-os e categorizandoos segundo os responsáveis pela encomenda, a localização, os usos, os materiais e as técnicas utilizadas. Francisco Lameira e Paulo Ladeira, investigadores da Universidade do Algarve, sistematizam, também, informação sobre as oficinas e os artistas, e produzem uma análise sobre a iconografia. O catálogo faz-se apresentando uma imagem, uma ficha descritiva e a anotação da bibliografia específica sobre cada um dos retábulos selecionados.
O Centro de Estudos Regionais assume, no quadro dos seus fins estatutários, a edição deste número. Fá-lo, com inteiro agrado, na esteira de outras iniciativas de levantamento e estudo do património artístico, bem como de outras publicações sobre a arte, a cultura religiosa e a região concretizadas no passado próximo. Com efeito, entende-a como mais um contributo para o conhecimento do Alto-Minho, estando a associação convicta que cooperará para a divulgação e salvaguarda deste substantivo património artístico-cultural.
O estudo que chega agora ao prelo, o décimo nesta coleção, pode tornar-se um interessante instrumento de trabalho para todos aqueles que se dedicam às questões patrimoniais. O recurso a um discurso acessível, evitando declinar no texto simplista, viabiliza o acesso ao público geral, assegurando a difusão da investigação e do conhecimento que esta edição condensa. Parece-nos, portanto, que ao promover esta publicação se cumprem, mais uma vez, osfins das duas instituições parceiras: a Faculdade de Ciências Humanas e Sociaisda Universidade do Algarve e o Centro de Estudos Regionais.

 

José Carlos de Magalhães Loureiro

Presidente da Direção do Centro de Estudos Regionais

In Editorial

RETÁBULOS NA ARQUIDIOCESE
DE ÉVORA
Francisco Lameira e Artur Goulart
Comprar Livro
eBook

(Brevemente disponível)

COLECÇÃO: Promontoria Monográfica História da Arte 09

ISBN: 978-972-99932-9-9

Tamanho: 29x23 cm

Páginas: 184 (com fotos a cores)

 

Dando continuidade à coleção Promontoria Monográfica História da Arte, da responsabilidade da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade do Algarve, o presente número, o nono, debruça-se sobre os Retábulos na Arquidiocese de Évora. A metodologia é idêntica à dos anteriores números dedicados a outras dioceses, concluindo-se que a Arquidiocese de Évora é detentora de um vasto património retabular, com exemplares de grande qualidade, denotando uma forte influência das normas estéticas oriundas da capital do Reino. Relativamente à sua execução, foram assumidos quer por artistas alentejanos, quer por profissionais oriundos da vizinha cidade de Lisboa.
Por fim felicitamos os dois investigadores que executaram este estudo, um deles da Universidade do Algarve e o outro de Évora, com largos créditos na região.

 

In Editorial

RETÁBULOS NA DIOCESE
DO FUNCHAL
Francisco Lameira, Paulo Ladeira e Renato Freitas
Comprar Livro
eBook

(Brevemente disponível)

COLECÇÃO: Promontoria Monográfica História da Arte 08

ISBN: 978-972-99932-8-2

Tamanho: 29x23 cm

Páginas: 132 (com fotos a cores)

 

No âmbito da ação editorial implementada desde 2005 pela Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade do Algarve, a coleção Promontoria Monográfica História da Arte afirma-se no contexto nacional por editar exclusivamente estudos sobre retábulos, importante equipamento litúrgico e arquitetónico utilizado durante séculos nos diversos locais de culto.
O presente número, o oitavo, debruça-se sobre os retábulos na Diocese do Funchal. A metodologia usada é idêntica à dos anteriores números dedicados a outras dioceses, concluindo-se que a ilha da Madeira é detentora de um património retabular de grande qualidade, executado na maioria das situações por artistas madeirenses, ainda que fortemente influenciados por orientações estéticas oriundas de Lisboa.
Por fim felicitamos os três investigadores que executaram este estudo, dois deles madeirenses, um formado pela Universidade do Algarve e o outro pela Universidade da Madeira.

 

In Editorial

 

RETÁBULOS NA DIOCESE
DE SETÚBAL
Francisco Lameira e Helder Rodrigues
Comprar Livro
eBook

(Brevemente disponível)

COLECÇÃO: Promontoria Monográfica História da Arte 07

ISBN: 978-972-99932-7-5

Tamanho: 29x23 cm

Páginas: 132 (com fotos a cores)

 

A obra, Retábulos da Diocese de Setúbal, constitui o sétimo volume da coleção Promontória Monográfica História da Arte e o terceiro dedicado às dioceses portuguesas, que tem vindo a apresentar trabalhos científicos na área da Arte Sacra, mais precisamente sobre o retábulo em Portugal.
A Fundação Millenniumbcp tem como trave mestra a partilha do saber, a acessibilidade à Cultura dando destaque ao Património e à Museologia.
Museus como o Nacional de Arte Antiga, do Azulejo ou do Chiado têm sido instituições continuamente apoiadas por considerar a Fundação que é uma forma de contribuir para o reforço da identidade de Portugal nas matérias que melhor distinguem o país.
Deste modo a possibilidade de promover uma edição da autoria de dois investigadores da Universidade do Algarve constitui uma honra e vem reforçar o entendimento que tem orientado as atenções da instituição, questões relacionadas com as diversas frentes de ação no campo da proteção e divulgação do património cultural.
A presenta obra pretende deste modo dar a conhecer a um público mais vasto do que o habitual um acervo de considerável importância artística respeitante à Diocese de Setúbal. Apresenta-se como tal, uma panóplia de estilos e épocas bem exemplificativos da importância deste território, destino de descanso de muitos representantes da Corte, bem como do clero tanto regular como secular, não esquecendo as poderosíssimas confrarias e irmandades, preciosos encomendadores e influenciadores dos movimentos artísticos dos últimos 500 anos.

 

Fernando Nogueira
Presidente do Conselho de Administração da Fundação Millennium.

In Editorial

 

 

RETÁBULOS NA DIOCESE
DE BEJA
Francisco Lameira e José António Falcão

COLECÇÃO: Promontoria Monográfica História da Arte 05

ISBN: 978-989-97666-0-0

Tamanho: 29x23 cm

Páginas: 151 (com fotos a cores)

 

Este trabalho debruça-se sobre uma modalidade artística que desempenhou, simultaneamente, notável papel religioso ao longo de muitos séculos. Os retábulos foram, entre a época gótica e a reforma litúrgica emanada do II Concílio do Vaticano (1963), o principal equipamento arquitectónico e litúrgico existente no interior das igrejas, constituindo um interessante testemunho da vivência dos diversos sectores da população do Baixo Alentejo ao longo de vários séculos. Cabe lembrar que os retábulos eram complementados por diversas modalidades artísticas, entre as quais a pintura figurativa, a imaginária em vulto perfeito e de roca, a azulejaria ou a pintura ornamental. De igual modo, centrava-se neles o uso da maior parte das alfaias religiosas.
O nosso estudo, sem dúvida de carácter preliminar, é composto fundamentalmente por duas partes.
Na primeira, apresenta-se uma análise específica dos retábulos de que há notícia no actual território da diocese de Beja, tendo em conta os pressupostos utilizados nos anteriores volumes desta colecção. São ponderados, consequentemente, os seguintes aspectos: localização, encomenda, usos e funções, iconografia,
técnicas e materiais, tipologias, periodização, filiação artística, oficinas e artistas intervenientes. Na segunda parte, surge um catálogo ilustrado de cinquenta retábulos, cujas fichas se encontram acompanhadas pela
respectiva fortuna crítica.
A selecção dos exemplares recenseados observou diversos critérios. Do ponto de vista geográfico, foi tomado em consideração o rol das povoações incluídas, em 1772, na demarcação da recém-criada diocese de Beja. Valorizou-se, todavia, a cidade de Beja,1 sede do novo bispado. Em relação à cronologia, houve a preocupação de testemunhar as distintas conjunturas artísticas patentes em tão extenso território, desde os finais do século XVI até aos inícios do século XX. Quanto ao interesse histórico-artístico dos retábulos, foi dada preferência não só aos exemplares mais representativos da diversidade funcional e morfológica, mas também aos que denotam especificidades – sem esquecer, evidentemente, outros que considerámos ímpares, em termos regionais ou mesmo nacionais.
Cumpre-nos agradecer a colaboração dos responsáveis dos monumentos abrangidos nesta obra.
Registamos, ainda, o contributo de investigadores, colegas e alunos que gentilmente cederam informações de diversa ordem: António Gonçalves, António Martins Quaresma, Artur Goulart de Melo Borges, CarlaGuerreiro, Célia Gil, Emanuel Sancho, Helena Silva, Idalina Santos, Joaquim Oliveira Caetano, Jorge Manhita, Lúcia Gomes, Luís Pedro Ramos, Manuel António do Rosário, Manuela Domingos, Marco Barão, Maria Clara Ferreira, Maria José Reis, Paulo Valente, Patrícia Afonso, Ricardo Pereira, Sara Fonseca, Sílvia Ferreira, Sílvia Martins, Susana Andrade, Tânia Lourenço e Vítor Serrão.

 

In Indrodução
 

 

RETÁBULOS DAS MISERICÓRDIAS PORTUGUESAS
Francisco Lameira 
Comprar Livro
eBook

(Brevemente disponível)

COLECÇÃO: Promontoria Monográfica História da Arte 04

ISBN: 978-989-95616-5-6

Tamanho: 29x23 cm

Páginas: 172 (com fotos a cores)

 

A obra, Retábulos das Misericórdias Portuguesas, constitui o quarto volume da colecção Promotoria Monográfica História da Arte, que tem vindo a apresentar trabalhos científicos na área do retábulo em Portugal.
Para a União das Misericórdias Portuguesas constitui uma acrescida honra associar-se, mais uma vez, a esta iniciativa editorial.

De facto, a possibilidade de promover uma edição, da autoria do mais abalizado investigador do tema, vem reforçar a estratégia de publicação de trabalhos científicos sobre o Património das Misericórdias Portuguesas.
Cumpre realçar a importância deste trabalho já que os retábulos das Igrejas das Misericórdias constituem por si só um conjunto que, devido às suas características particulares, são únicos no panorama da Arte Sacra em Portugal.
Nesta circunstância podemos lembrar a iconografia das Igrejas de Misericórdia, que sendo absolutamente uniforme de Norte a Sul do País constitui um forte elemento identitário destas instituições. Destacam-se neste âmbito os inúmeros altares onde são visíveis retábulos com a Nossa Senhora da Misericórdia, a Visitação ou os Passos da Paixão. O próprio edifício da Misericórdia com a sua construção tripartida entre Igreja, Hospital e Sala do Despacho, é um elemento arquitectónico identificador das particularidades artísticas das Misericórdias Portuguesas.

A presente obra permite-nos assim dar a conhecer, a um público mais vasto do que o habitual, um património rico e singular, pois na vertente dos retábulos oferece-nos uma panóplia de estilos e épocas bem ilustrativos da presença das Misericórdias nos vários movimentos artísticos dos últimos 500 anos.
Permito-me ainda salientar que esta publicação se insere num plano de divulgação de temas respeitantes ao Património, que a UMP prevê levar a efeito, o que caracteriza 2009, como um ano marcante na relação das Misericórdias com a sua história, a sua arte, a sua documentação, em suma, com a sua identidade cultural.
Felicito a Universidade do Algarve, o seu Departamento de História, Arqueologia e Património e, particularmente, o autor, por terem contribuído de forma tão importante para o estudo do Património Cultural das Misericórdias através do excelente trabalho apresentado nesta edição.

 

Manuel de Lemos

Presidente do Secretariado Nacional da União das Misericórdias Portuguesas

In Editorial

O RETÁBULO NO ALGARVE
Francisco Lameira
Comprar Livro
eBook

(Brevemente disponível)

COLECÇÃO: Promontoria Monográfica História da Arte 03

ISBN: 978-972-99693-8-6

Tamanho: 29x23 cm

Páginas: 144 (com fotos a cores)

 

No âmbito da acção editorial implementada pelo Departamento de História, Arqueologia e Património da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade do Algarve, apresenta-se neste terceiro número da Promontoria Monográfica História da Arte um estudo monográfico sobre o retábulo na região algarvia, um dos seis centros produtivos outrora existentes em Portugal continental. O período abrangido neste estudo é muito dilatado, valorizando-se contudo os exemplares das fases de maior visibilidade, correspondentes aos séculos XVII e XVIII. Perfeitamente integrados nas normas religiosas e artísticas difundidas por todo o país, os retábulos desta região acompanharam, com um ligeiro atraso, os modelos tipológicos e formais vigentes. Detectam-se, à semelhança do que ocorria nos restantes centros produtivos, situações de experimentação, quer nos exemplares ímpares, quer em especificidades compositivas, resultantes, na maioria das situações, da dificuldade de os retábulos preencherem a totalidade do espaço disponível.
À semelhança dos dois números anteriores, editados respectivamente em 2005 e 2006, também este é da autoria de Francisco Lameira, docente do nosso Departamento.

 

In Editorial

O RETÁBULO DA COMPANHIA DE JESUS EM PORTUGAL: 1619-1759
Francisco Lameira 
Comprar Livro
eBook

(Brevemente disponível)

COLECÇÃO: Promontoria Monográfica História da Arte 02

ISBN: 972-99693-4-5

Tamanho: 29x23 cm

Páginas: 229 (com fotos a cores)

 

No âmbito da acção editorial implementada pelo Departamento de História, Arqueologia e Património da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade do Algarve, apresenta-se neste segundo número da Promontoria Monográfica História da Arte um estudo monográfico sobre cerca de uma centena de retábulos recenseados em vinte templos administrados pela Companhia de Jesus em Portugal continental. Estes exemplares são, na sua grande maioria, de madeira entalhada, dourada e policromada, havendo também retábulos de pedraria com ou sem embutidos de várias cores.

Foram executados predominantemente por artistas portugueses e, em poucos casos, por estrangeiros aqui sediados. O período da sua execução circunscreve-se
entre 1619, data do exemplar mais antigo ainda existente, e 1759, ano do decreto pombalino da extinção da Companhia em terras portuguesas.
À semelhança do número anterior, editado em 2005, também este é da autoria de Francisco Lameira, docente do nosso Departamento.

 

In Editorial

 

(Brevemente disponível)

(Brevemente disponível)

(Brevemente disponível)

(Brevemente disponível)

(Brevemente disponível)

(Brevemente disponível)

Francisco Lameira, Mónica Esteves Reis

(Brevemente disponível)

eBook
RETÁBULOS NO ESTADO DE GOA

COLECÇÃO: Promontoria Monográfica História da Arte 12

ISBN: 978-989-8472-77-9

Tamanho: 29x23 cm

Páginas: 206 (com fotos a cores)

 

O Estado de Goa é detentor de um vasto património retabular, o mais relevante em todo o espaço do Índico, com exemplares de grande qualidade, denotando um estreito intercâmbio secular entre povos geograficamente distantes mas irmanados por uma vivência comum.
Fruto de um diálogo artístico, o retábulo indo-português constitui um objeto de arte de características individuais que não se repete em qualquer outra parte do mundo português. Goa não tivera, até aos dias de hoje, um trabalho de qualidade e de condensada informação sobre o seu património retabular. É portanto com enorme prazer que vemos a exaltação deste nosso património num estudo de rigor. O presente número da coleção Promontoria Monográfica História da Arte – da responsabilidade da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade do Algarve – vem sem dúvida enriquecer a dita coleção, que integra e tem vindo
a mostrar idênticos exemplares no território português. A metodologia usada, como sou informado, é idêntica à dos números anteriores, nomeadamente os dedicados a outros países de língua portuguesa.
Felicitamos os dois investigadores que executaram este estudo. Um deles, a Mónica Esteves Reis, como bolseira da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, esteve várias vezes neste país, tendo aqui realizado um exaustivo levantamento fotográfico e bibliográfico do vasto património retabular ainda subsistente, não só na antiga Província do Norte, mas também na nossa própria região de Goa. Este será certamente um excelente instrumento de trabalho, sem precedentes, que enuncia novas e extraordinárias conclusões que seriam impensáveis de alcançar sem o meticuloso trabalho de campo por ela efetuado e de que fui ativa testemunha.
Este precioso e ainda inédito trabalho serviu de base ao doutoramento que Mónica Esteves Reis apresentou recentemente na Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade do Algarve, dedicado ao Inventário Artístico do Retábulo no Taluka de Tiswadi. A orientação desta dissertação esteve a cargo do outro autor deste estudo, Francisco Lameira, docente nessa instituição e responsável por esta coleção que se debruça sobre o património retabular no Mundo Português.
É nosso grande desejo que a presente publicação possa muito brevemente ser editada em inglês, para que possa ser consultada por um público mais abrangente, especialmente aqui na Índia.

 

( + Filipe Néri Ferrão)
Arcebispo de Goa e Damão e Patriarca das Índias Orientais

In Apresentação

(Brevemente disponível)

COLECÇÃO: Promontoria Monográfica História da Arte 13

Tamanho: 29x21 cm

Páginas: 256 (com fotos a cores)

 

Os retábulos relicários foram um dos principais instrumentos de intervenção litúrgica e artística, atingindo a fase de maior esplendor durante o Antigo Regime.
 Este património retabular ainda remanescente no Mundo Português, nomeadamente em Portugal continental, na Madeira, nos Açores, no Brasil e no Estado de Goa, é constituído por um significativo acervo, havendo muitos retábulos de grande relevância artística, nalguns casos do melhor que se fazia.
 Este estudo compõe-se fundamentalmente de duas partes. Na primeira apresenta-se uma abordagem específica aos retábulos subsistentes, tendo em conta os pressupostos utilizados nos anteriores volumes desta coleção. Consequentemente são analisados os seguintes itens: localização, encomenda, usos e funções, iconografia, técnicas e materiais, tipologias e modelos compositivos, filiação artística, periodização, oficinas e artistas intervenientes. Na segunda parte surge um catálogo ilustrado com fotografias a cores de setenta e seis retábulos acompanhados da respetiva abordagem crítica. A seleção dos exemplares recenseados neste catálogo teve em conta diversos critérios. Em termos geográficos tentou abranger-se o maior número de templos, não só em Portugal continental, nos Açores e Madeira, mas também nos antigos territórios ultramarinos, nomeadamente, no Brasil e em Goa. Em relação à cronologia houve a preocupação de testemunhar as diversas conjunturas artísticas, desde o último quartel do século XVI até ao século XIX. No respeitante à qualidade dos retábulos, foi dada preferência não só aos exemplares mais representativos da diversidade funcional e morfológica, mas também, aos que denotam algumas especificidades. Finalmente atendeu-se ao estado de  conservação, excluindo-se alguns retábulos que presentemente estão a ser intervencionados e outros que se  encontram em condições menos adequadas por terem sido adulterados por intervenções relativamente recentes.

RETÁBULOS RELICÁRIOS
Francisco Lameira, Carlos Evaristo, José João Loureiro
Francisco Lameira, Pedro Vasconcelos Cardoso, José João Loureiro
RETÁBULOS NA DIOCESE
DE LAMEGO

(Brevemente disponível)

COLECÇÃO: Promontoria Monográfica História da Arte 14

Tamanho: 29x21 cm

Páginas: 156 (com fotos a cores)

 

    No âmbito da ação editorial implementada, desde 2005, pela Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade do Algarve, a colecção Promontoria Monográfica História da Arte afirma-se no contexto nacional por editar exclusivamente estudos sobre retábulos, importante equipamento litúrgico e arquitetónico utilizado durante séculos nos diversos locais de culto.

     O presente número, o décimo quarto, debruça-se sobre os retábulos na Diocese de Lamego. A metodologia usada é idêntica à dos anteriores números dedicados a outras Dioceses, concluindo-se que esta região é detentora de um património retabular de relevo, executado por artistas locais e por profissionais oriundos dos centros produtivos vizinhos, predominando a influência dos bispados de Braga e do Porto.

   Por fim, felicitamos os três investigadores que executaram este estudo: Francisco Lameira, iniciador e coordenador desta coleção que tem vindo a divulgar e melhor entender a problemática do retábulo em Portugal; Pedro Vasconcelos Cardoso, que se tem debruçado sobre essa temática nesta Diocese, região onde usufrui de residência temporária e José João Loureiro, habitual colaborador neste processo de inventariação e estudo do retábulo do Mundo Português.

COLECÇÃO: Promontoria Monográfica História da Arte 15

Tamanho: 29x21 cm

Páginas: 148 (com fotos a cores)

    O volume nº 15 da coleção 'Promontoria Monográfica | História da Arte', que vem sendo criteriosamente dedicada à retabulística portuguesa, com coordenação do historiador de arte Francisco Lameira e edição do Departamento de Artes e Humanidades da Universidade do Algarve, tem como tema o conjunto de retábulos existentes na diocese de Leiria-Fátima.

    Trata-se de uma iniciativa a saudar vivamente. O volume, que conta com a colaboração dos também historiadores de arte José João Loureiro e Virgolino Ferreira Jorge, demonstra mais uma vez as qualidades que vêm norteando esta linha editorial sob todos os pontos de vista inestimável: recensear existências e perdas, estabelecer conhecimentos, analisar e descrever formas e tipologias, contribuir para a salvaguarda de alguns espécimes em estado de conservação mais frágil, recomendar cuidados preventivos e intervenções de restauro com critério científico e, em suma, valorizar um acervo patrimonial de grande interesse nacional, a nível religioso e não só.

 

In Apresentação

Vítor Serrão

ARTIS – Instituto de História da Arte

Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

(Brevemente disponível)

RETÁBULOS NA DIOCESE
DE LEIRIA-FÁTIMA
Francisco Lameira, José João Loureiro, Virgolino Ferreira Jorge